Workshop introducao ao LaTeX@UMinho

10 11 2007

Correu altamente a workshop de LaTeX organizada pelo CAOS. Mais um sucesso de toda a equipa que trabalha no CAOS. Foi um dia cheio de partilha de conhecimento. Eu mais o Nuno ficamos incrédulos com o grupo heterogéneo de participantes que tínhamos; dois professores do Departamento de Estudos Germanísticos, um aluno de doutoramento, alunos de Opetometria e Ciências da Visão, vários alunos de Física e ainda, como seria de esperar, alunos de LEI. Rapidamente me apercebi que tinha um desafio nas mãos, ensinar uma linguagem a pessoas que nunca na vida tinham/irão ver código.

LaTeX WorkShop - CAOS

LaTeX WorkShop - CAOS

Decidi que quem tinha de se aperceber do potencial do LaTeX eram eles mesmos, por isso omiti, propositadamente, alguns pormenores que posteriormente eles se iam apercebendo e vendo a real filosofia do LaTeX.

A workshop foi evoluindo naturalmente, todos ficaram entusiasmados com a história do LaTeX e o verdadeiro desafio aproximava-se; fazer documentos! Rapidamente chegamos aos exercícios e o entusiasmo foi geral. Rapidamente se instalou o MiKTeX para Windows e mais algumas aplicações para MAC, enquanto isto os Linux user’s esperavam impacientemente (lolz).

Os exercícios correram todos muito bem, toda a gente conseguiu fazer os exercícios propostos e alguns até já começavam a explorar com o que já tinham aprendido até à altura. Foi muito bom!

Às 19:00 estava terminado, olhamos um para o outro e parecia que tínhamos sido agredidos violentamente por um batalhão das GOE em pleno Departamento de informática.

Estávamos cansados, mas confesso que adorei dar esta workshop e o Nuno Veloso idem.

Código da apresentação e exercícios, tar.gz com tudo.

Reacções do Nuno Veloso relativamente ao evento.





Wordkshop introducao ao LaTeX

2 11 2007

Ainda me lembro da primeira vez que vi LaTeX,acabado de entrar na universidade. De inicio pouco percebia do assunto, limitava-me a usar os templates que os professores disponibilizavam e assim fazia os relatórios para os trabalhos. Uma vez não tive tempo para usar um destes templates e aldrabei um documento, tinha sido escrito no Word e fi-lo a se parecer, no máximo dos meus conhecimentos do word, com um template TeX. A brincadeira não correu bem e, na entrega do trabalho, o professor João Saraiva, olhando para o relatório, disse-me: “ó pá nós somos programadores, gostamos de fazer isto”.

Levei aquela frase muito a sério e aprendi LaTeX na semana seguinte, a partir daí até hoje fazer documentos em LaTeX é como uma diversão para mim.

Já lá vão 3 anos e acho que devo partilhar estes conhecimentos que aprendi em LaTeX com quem está na situação que eu estava antes de saber o que era um begin{section}.

Na próxima quarta-feira terei o prazer de dar uma WorkShop sobre LaTeX, mais o meu colega e amigo Nuno Veloso no Departamento de Informática da UMinho.

Na verdade é mais produtivo fazer documentos em LaTeX do que num sistema WYSIWYG. O tempo que se gasta em formatação de um texto, andar a mexer em caixas de texto para inserir notas debaixo de uma imagem, ir verificar o numero/nome da secção se a quiser enunciar, entre muitas outras coisas são para mim, uma autêntica dor de cabeça.

Uso LaTeX porque não me tenho que preocupar com esse tipo de coisas e tenho a certeza que o documento gerado irá sempre ter uma apresentação profissional.

Para apresentações uso LaTeX Beamer que é uma class do LaTeX. Com Beamer é estupidamente fácil fazer uma apresentação profissional. Depois farei sobre isto.

Se tiverem curiosidade podem ver alguns dos relatórios que já fiz em LaTeX, dentro de cada relatório está o respectivo *.tex e *.pdf.





LIP@DI

22 10 2007

Mais uma Linux Installation Party (LIP) organizada pelo Centro de Estudantes de Engenharia de Sistemas e Informática da Universidade do Minho (CeSIUM).
Eu, mais o João Moura (geko), como elementos do Centro de Apoio Open Source (CAOS) tivemos o prazer de apresentar o Linux a todos os participantes.

O evento realizou-se no Departamento de Informática da Uminho, no qual havia na verdade duas LIP’s a decorrer ao mesmo tempo em salas separadas. Eu na de Ubuntu e o geko na de Fedora.

Contamos com a ajuda de 3 membros do CAOS, por sala para auxiliar os participantes com problemas que iam surgindo aquando da instalação.

Inicialmente, os participantes, sacaram do mirror do CeSIUM a imagem de Ubuntu 7.10 Release Candidate (sabiamos que no dia seguinte saíria a versão final, mas por motivos de horário teve que ser numa quarta-feira (ninguem tem aulas de tarde).).
Enquanto se fazia download e se gravava as imagens para CD’s, tive o prazer de dar uma pequena apresentação aos participantes do que é Linux, história, etc.

A instalação foi feita, passo a passo, no meu computador e a ser mostrada num retro projector.

Durante esta, tive o prazer de conhecer todos os participantes e fiquei muito entusiasmado por saber que tínhamos naquela sala 4 caloiros de LEI, um de LCC, dois alunos do 2º Ano de LEI, um aluno Erasmus Mundus e ainda dois alunos de Engenharia Biomédica. Um grupo bastante ecléctico.

Já depois de escolher as partições e de andar com o gparted em riste de um lado para o outro, entra na sala um senhor a perguntar se era aquela a sala da LIP, rápidamente se apresentou, Amândio Antunes Gomes da Silva membro dos Serviços de Comunicações da Universidade do Minho.

Queria mostrar como se configurava a nova rede “eduroam” em Linux. Prontamente aceitei!
Como os participantes ainda estavam ás voltas com as partições, aprendia como se fazia e no fim terminava a LIP com chave d’ouro a configurar a rede a todos.
Quando dou por mim, já o Srº Amândio estava agarrado ao meu portátil a dizer para meter a password de root. Houve uns problemas que não estavam previstos e à paginas tantas o Srº Amândio já estava a travar uma batalha contra uma consola.

Eu estava colado a assistir aquele espectáculo magnífico de comandos, que eu nem conhecia a serem despejados numa consola. Assisti ainda a um manejar profissional do vi que me deixou de boca aberta.
Uma pessoa que adora o que faz. Notei que aquilo já estava a ser enfrentado como um desafio e não como um problema… Brutal!

Ao fim de uma hora e meia, a rede estava a funcionar no meu portátil. Acho que fui o primeiro aluno da Universidade do Minho a ter a rede “eduroam” a funcionar em Linux 😀

Já deviam ser umas 19:30 e estávamos todos esgotados – participantes e pessoal do CAOS.

Continuei com a LIP;

Durante a copia dos ficheiros para o disco continuei a apresentação, agora mostrando como se organizam as directorias nos sistemas Unix.
Depois de instalar, uma breve explicação do gestor de pacotes e de alguns comandos úteis.

Muito mais poderia ser feito, como uma demonstração de alguns comandos, bash script’s, instalação e demonstração de jogos, mostrar ambientes de programação, editores, etc…
Mas isso também faz parte da aprendizagem de um Linux user…

No final o saldo foi altamente positivo, todos sairam de lá com os seus Ubuntus afinadíssimos e a saber usa-lo minimamente.

Aqui (Ubuntu e Fedora) a noticia no InfoLESIUM.





Disk catalogue

23 02 2007

Bom… infelizmente não tenho tido muito tempo para dedicar ao haskell como pretendia, mas já á uns meses que tinha ideia de fazer um programa que guardasse toda a informação contida em vários CD’s e DVD’s afim de fazer uma base de dados dos mesmos e mais tarde facilitar-me nas pesquisas do “tal ficheiro que já nao me lembro onde está…”.

Confesso que a cadeira de MP1 lecionada pelo Professor José Nuno Oliveira me ajudou em muito para a idealização deste projecto…

Todo o código referente ao projecto pode ser encontrado no meu site do Centro de Apoio Open Source do CeSIUM